2006-09-06

«Miúdo de 'Tempo de Viver' tem uma visão dos pais em cenas íntimas com os vizinhos»

Este título do «24Horas» de 6 de Setembro é um sinal dos tempos ou sintoma da aproximação do apocalipse? A minha natureza agnóstica leva-me a optar pela primeira hipóstese, embora por razões ontológicas já não exclua a segunda. O mundo está perigoso.

vc

2006-09-01

Mais mar


Para este fim-de-semana que se afigura demasiado quente: já está nas bancas mais uma edição da "Atlântico" - um pouco de ar fresco nunca fez mal a ninguém.

vc

Imperdível: «Who killed the newspaper?»



From The Economist print edition

The most useful bit of the media is disappearing. A cause for concern, but not for panic


“A GOOD newspaper, I suppose, is a nation talking to itself,” mused Arthur Miller in 1961. A decade later, two reporters from the Washington Post wrote a series of articles that brought down President Nixon and the status of print journalism soared. At their best, newspapers hold governments and companies to account. They usually set the news agenda for the rest of the media. But in the rich world newspapers are now an endangered species. The business of selling words to readers and selling readers to advertisers, which has sustained their role in society, is falling apart (see article).

Of all the “old” media, newspapers have the most to lose from the internet. Circulation has been falling in America, western Europe, Latin America, Australia and New Zealand for decades (elsewhere, sales are rising). But in the past few years the web has hastened the decline. In his book “The Vanishing Newspaper”, Philip Meyer calculates that the first quarter of 2043 will be the moment when newsprint dies in America as the last exhausted reader tosses aside the last crumpled edition. That sort of extrapolation would have produced a harrumph from a Beaverbrook or a Hearst, but even the most cynical news baron could not dismiss the way that ever more young people are getting their news online. Britons aged between 15 and 24 say they spend almost 30% less time reading national newspapers once they start using the web.

Up to a podcast, Lord Copper?

Advertising is following readers out of the door. The rush is almost unseemly, largely because the internet is a seductive medium that supposedly matches buyers with sellers and proves to advertisers that their money is well spent. Classified ads, in particular, are quickly shifting online. Rupert Murdoch, the Beaverbrook of our age, once described them as the industry's rivers of gold—but, as he said last year, “Sometimes rivers dry up.” In Switzerland and the Netherlands newspapers have lost half their classified advertising to the internet.

Newspapers have not yet started to shut down in large numbers, but it is only a matter of time. Over the next few decades half the rich world's general papers may fold. Jobs are already disappearing. According to the Newspaper Association of America, the number of people employed in the industry fell by 18% between 1990 and 2004. Tumbling shares of listed newspaper firms have prompted fury from investors. In 2005 a group of shareholders in Knight Ridder, the owner of several big American dailies, got the firm to sell its papers and thus end a 114-year history. This year Morgan Stanley, an investment bank, attacked the New York Times Company, the most august journalistic institution of all, because its share price had fallen by nearly half in four years.

Having ignored reality for years, newspapers are at last doing something. In order to cut costs, they are already spending less on journalism. Many are also trying to attract younger readers by shifting the mix of their stories towards entertainment, lifestyle and subjects that may seem more relevant to people's daily lives than international affairs and politics are. They are trying to create new businesses on- and offline. And they are investing in free daily papers, which do not use up any of their meagre editorial resources on uncovering political corruption or corporate fraud. So far, this fit of activity looks unlikely to save many of them. Even if it does, it bodes ill for the public role of the Fourth Estate.

Getting away with murder

In future, as newspapers fade and change, will politicians therefore burgle their opponents' offices with impunity, and corporate villains whoop as they trample over their victims? Journalism schools and think-tanks, especially in America, are worried about the effect of a crumbling Fourth Estate. Are today's news organisations “up to the task of sustaining the informed citizenry on which democracy depends?” asked a recent report about newspapers from the Carnegie Corporation of New York, a charitable research foundation.

Nobody should relish the demise of once-great titles. But the decline of newspapers will not be as harmful to society as some fear. Democracy, remember, has already survived the huge television-led decline in circulation since the 1950s. It has survived as readers have shunned papers and papers have shunned what was in stuffier times thought of as serious news. And it will surely survive the decline to come.

That is partly because a few titles that invest in the kind of investigative stories which often benefit society the most are in a good position to survive, as long as their owners do a competent job of adjusting to changing circumstances. Publications like the New York Times and the Wall Street Journal should be able to put up the price of their journalism to compensate for advertising revenues lost to the internet—especially as they cater to a more global readership. As with many industries, it is those in the middle—neither highbrow, nor entertainingly populist—that are likeliest to fall by the wayside.

The usefulness of the press goes much wider than investigating abuses or even spreading general news; it lies in holding governments to account—trying them in the court of public opinion. The internet has expanded this court. Anyone looking for information has never been better equipped. People no longer have to trust a handful of national papers or, worse, their local city paper. News-aggregation sites such as Google News draw together sources from around the world. The website of Britain's Guardian now has nearly half as many readers in America as it does at home.

In addition, a new force of “citizen” journalists and bloggers is itching to hold politicians to account. The web has opened the closed world of professional editors and reporters to anyone with a keyboard and an internet connection. Several companies have been chastened by amateur postings—of flames erupting from Dell's laptops or of cable-TV repairmen asleep on the sofa. Each blogger is capable of bias and slander, but, taken as a group, bloggers offer the searcher after truth boundless material to chew over. Of course, the internet panders to closed minds; but so has much of the press.

For hard-news reporting—as opposed to comment—the results of net journalism have admittedly been limited. Most bloggers operate from their armchairs, not the frontline, and citizen journalists tend to stick to local matters. But it is still early days. New online models will spring up as papers retreat. One non-profit group, NewAssignment.Net, plans to combine the work of amateurs and professionals to produce investigative stories on the internet. Aptly, $10,000 of cash for the project has come from Craig Newmark, of Craigslist, a group of free classified-advertisement websites that has probably done more than anything to destroy newspapers' income.

In future, argues Carnegie, some high-quality journalism will also be backed by non-profit organisations. Already, a few respected news organisations sustain themselves that way—including the Guardian, the Christian Science Monitor and National Public Radio. An elite group of serious newspapers available everywhere online, independent journalism backed by charities, thousands of fired-up bloggers and well-informed citizen journalists: there is every sign that Arthur Miller's national conversation will be louder than ever.



vc

2006-08-31

O fim


O encerramento anunciado do semanário «O Independente» deixa-me triste. Foi lá que aprendi muito; vivi muito, ao longo de muitos anos. De Paulo Portas a Vasco Pulido Valente, de Miguel Esteves Cardoso a Constança Cunha e Sá, de António Ribeiro Ferreira a Helena Sanches Osório - e tantos outros - todos foram meus mestres e exemplo. Com eles aprendi a escrever, a ler e a ver. «O Independente» foi um espaço de liberdade único e uma escola como não há. Pelo jornal passou uma geração de intelectuais e jornalistas que deixou marca profunda na vida de todos nós. Nos anos mais recentes o jornal continuou a cumprir o seu papel como pôde. Apesar das dificuldades, contou com uma nova geração de talentos que em muitos momentos ajudaram a construir o único jornal que podia fazer o que outros nunca se atreveriam. Agora, o fim.

vc

O Independente em fim de carreira

Jornal inviabilizado por dificuldades financeiras

A última edição d’O Independente chega amanhã às bancas, de acordo com notícias avançadas pela Meios&Publicidade e pelo Jornal de Negócios.
Segundo noticiado nestas publicação a directora do jornal, Inês Serra Lopes, que é também uma das accionistas, terá anunciado esta decisão à sua redacção na quarta-feira passada mas não adiantou à imprensa mais comentários relativamente ao assunto.
Sabe-se no entanto que o jornal atravessa dificuldades financeiras e que as negociações para um investimento que decorreram nos últimos meses não se concretizaram, deixando o encerramento do jornal e a insolvência daquela empresa como a única solução.
As vendas deste jornal têm vindo a decrescer nos últimos anos caindo a sua tiragem de cerca de 100 mil exemplares para menos de 10 mil por edição.

2006-08-30

Cartões de crédito válidos em cinco países

Portugal faz parte da iniciativa

Com o objectivo de permitir o uso dos cartões de crédito, de uma forma universal, por um cidadão que se encontre em viagem fora do seu país de origem, bancos de cinco países, incluindo Portugal, celebraram uma aliança destinada a viabilizar os pagamentos com cartões de crédito, de uma forma mais fácil do que hoje acontece, em qualquer dos países subscritores, segundo uma notícia citada pelo «Negócios» online.

Além de Portugal, fazem parte da aliança a Alemanha, Reino Unido, Itália, e Espanha, estando prevista a sua entrada em vigor no próximo Verão.

Trata-se de mais um passo na construção do Mercado Único Europeu de Pagamentos, sendo a primeira aliança do género na União Europeia.

O início da implementação do novo mercado está previsto para 2008.

A inclusão de Portugal nesta importante iniciativa, é um bom exemplo da reconhecida capacidade de inovação e modernização que o país tem tido no sector financeiro, estando no primeiro patamar das melhores práticas a nível mundial.

2006-08-28

Condutores multados por falta de selo

As Finanças pensaram nisso, mas ninguém se lembrou de

informar as polícias que, por enquanto, não deveriam multar por falta de selo.

Este ano o pagamento do imposto municipal de circulação automóvel está a dar dores de cabeça a muita gente, principalmente aos proprietários que, tendo efectuado o respectivo pagamento ainda não receberam o dístico comprovativo desse acto e que, agora, correm o risco de serem autuados e de verem os seus documentos e viaturas apreendidas pela PSP e pela GNR.
Curioso é que as próprias finanças não têm selos para todos e aceitam os pagamentos sem que os condutores fiquem com o comprovativo legal do seu pagamento, principalmente quem efectuou o pagamento por Internet e que continua a aguardar que os ditos selos lhes sejam enviados pelo correio, sem que isso impeça as nossas autoridades de levantarem autos pela falta dos proprietários.
Neste momento as finanças estão a receber milhares de autos por falta de dísticos comprovativos do pagamento do imposto para esclarecerem com as autoridades competentes que a falta não é culpa dos proprietários mas sim daquele organismo e a fim de fazerem o arquivamento das coimas e a entrega dos documentos e dos veículos aos seus proprietários.

2006-08-27


As trapalhadas do futebol português são boas para o «nosso» ócio

António Fiúza não se cala!

O Gil Vicente regressou a casa sem jogar com o Benfica, não concretizando também a anunciada visita ao jardim zoológico, mas foi um fim-de-semana rico em acontecimentos, com os diversos protagonistas, desde a última sexta-feira, a tudo fazerem para nos divertir.
O presidente do Gil Vicente, António Fiúza, foi o máximo, aproveitou todos os momentos para dar entrevistas e prestar declarações aos vários órgãos de comunicação, com momentos muito interessantes e do mais divertido que se podia esperar. É um grande actor, está mesmo à altura do melhor que temos no nosso futebol, subindo, com este seu desempenho, muitos pontos no ranking. Disso não temos dúvidas.

Confesso que não perdi pitada e me diverti muito. Estou mesmo convencido que terei sido acompanhado por muitos portugueses neste fascinante espectáculo. Todos nós temos direito, nos nossos momentos de ócio, a assistir a coisas engraçadas, com enorme cobertura mediática e ainda por cima de graça. Foi giro!

Só tive pena de, hoje de manhã, a TSF não ter correspondido ao desafio do presidente do Gil Vicente, quando numa pequena entrevista, com algumas interrupções, em que o entrevistador suava para que o entrevistado respondesse às suas perguntas, António Fiúza lançou o repto de lhe serem dadas duas horas, seguidinhas, para poder contar a história toda e esclarecer os portugueses, dando em troca a garantia de, nessa altura, fazer revelações curiosas. Que pena, o repto não ter sido aceite de imediato.

Vamos lá ver o que acontece nos próximos dias. Como a esperança é a última coisa a morrer, pode ser que algum outro órgão de comunicação social aceite o desafio. O presidente do Gil Vicente está convencido que isso vai acontecer. Nós também.

As duas horas até podiam ser aos bocadinhos, formato telenovela, sempre ajudavam a preencher os nossos momentos de ócio.

2006-08-26



Curiosidades

A vida em números


Sabia que:

durante um jogo de futebol, um jogador, à excepção do guarda-redes, corre entre 10 e 13 quilómetros;

um icebergue médio pesa cerca de 20 milhões de toneladas;

as hipóteses de se morrer atingido por um relâmpago é de 1 em 1 milhão;

a Lua cabe 49 vezes dentro da Terra e esta cabe 1 milhão e 300 mil vezes dentro do Sol;

quando uma queimadura é de primeiro ou segundo grau, é possível sobreviver a uma lesão que atinge 50% ou mais do corpo; porém, se for de terceiro grau, 30% da área queimada já representa um grave risco de vida;

o bolo alimentar avança no interior do intestino delgado a uma velocidade de 2,5 cm/minuto e é digerido em 5 ou 6 horas para o qual o intestino se contrai 13 vezes por minuto, enquanto a velocidade no cólon é de 5 cm por hora;

no Inverno, algumas borboletas voam mais de 3 500 quilómetros em direcção ao Sul;

um sapo devora aproximadamente 100 insectos por dia;

os dinossáurios viveram 140 milhões de anos;

o Homem esta na Terra há apenas 2,5 milhões de anos.